CBDN oficializa criação da equipe multidisciplinar de Cross Country e Biathlon – o psicólogo Arthur Marcondes faz parte deste projeto

O objetivo final é classificar o biathlon de Inverno para Socchi 2014

Após a bem sucedida experiência com a Equipe Brasileira de Snowboard que já aplica com sucesso a psicologia esportiva há mais de 10 anos e iniciou o uso da biomecânica em 2005, a CBDN, visando uma excelente preparação dos atletas para os Jogos Olímpicos de Socchi em 2014, reuniu uma qualificada equipe multidiscplinar de Biathlon de Inverno e Ski Cross Country para desenvolver e aplicar conhecimento de diversas áreas da ciência em seus esportes. O desenvolvimento do Biathlon de Inverno no Brasil, será fundamental para a CBDN cumprir o objetivo traçado para este ciclo: “realizar a melhor campanha da história brasileira
em Jogos Olímpicos de Inverno”. Conheça os profissionais envolvidos no projeto:

 

Mattias Nilsson (Suécia)
Treinador

Mattias foi atleta da equipe Sueca de Biathlon, umas das principais da modalidade, sendo Campeão Mundial Junior em 2002, além de conquistar duas quartas colocações em Jogos Olímpicos e duas
medalhas de bronze em copas do mundo. Nilsson se aposentou precocemente por conta da detecção de problemas cardíacos e demonstrou estar entusiasmado com a possibilidade de levar a Equipe Brasileira
para Sochi. Ele certamente prestará grande contribuição ao Biathlon Brasileiro, uma vez que possui vasta experiência como atleta, além do conhecimento técnico necessário para o desenvolvimento de nossos
atletas, tanto no aumento da eficiência de Ski como na melhora da precisão no tiro.

 

Guido Visser (Canada)
Treinador

Graduado em Ciências pela CEGEP(CAN – 1990), 
Mestrado em Engenharia Mecânica, UNIVERSITÉ LAVAL (CAN – 2002)

Guido foi atleta da equipe canadense de Ski Cross Country entre 1994 e 1999, tendo participado dos Jogos Olímpicos de 1998. Em 2005 iniciou seu trabalho junto ao Brasil através do desenvolvimento e treinamento das capacidades técnicas de Ski Cross Country. Ele que é mestre em Engenharia, alia sua experiência esportiva ao conhecimento técnico na preparação dos esquis, que devem ser selecionados de acordo com a temperatura ambiente e umidade. Ponto fundamental para que o atleta possa desenvolver todo seu potencial durante a prova.

 

Bruno Cesar Morais da Rocha
Fisioterapeuta
Graduado pela UNIP(2007) 
Pós-Graduado em reabilitação 
muscular e desportiva pela Gama Filho 
Especializado em Terapias Manuais

Atleta de Judô no Esporte Clube Pinheiros, Bruno tem experiência com atletas de alto rendimento da modalidade, sendo fisioterapeuta da Seleção Brasileira, além de uma importante experiência em esportes de endurance,
quando trabalhou com atletas do Ironman do ECP. Fisioterapeuta do atleta Leandro Ribela desde 2008, Bruno auxiliará na reabilitação, prevenção e emergência em qualquer desordem ou lesão músculo-esquelética. Considerando a elevada exigência física deste esporte, a fisioterapia é fundamental na preparação do atleta prevenindo ou reabilitando a fim de proporcionar as condições físicas ideais para que o atleta possa se desenvolver e progredir no esporte.

 

Arthur Marcondes Ferraz Silva
Psicólogo
Formado em Psicologia pela PUC SP
Especialização em Psicologia do Esporte
no Instituto Sedes Sapientiae e pelo do
Conselho Federal de Psicologia.

Arthur que possui experiência como atleta de endurance e como psicólogo em diferentes esportes de alto nível, como por exemplo, o nado sincronizado (onde foi psicólogo nos Jogos Olímpicos de Atenas) realizará o trabalho
de treinamento e acompanhamento psicológico dos atletas, em treinos e competições, utilizando-se de diversas ferramentas da psicologia esportiva. Ele terá um importante desafio, uma vez que atletas de endurance convivem com elevados volumes de treinamento, estresse físico constante e dores. Soma-se a isso, condições ambientais extremas, incluindo baixas temperaturas, altitudes elevadas, vento e neve entre outros fatores.

 

Roberto Vilhena Carnevale
Preparador Físico
Graduado em Educação física pela USP(1992), Especialização em Fisiologia do
exercício pela UNIFESP(1998) e Mestre em educação física pela USP(2008).

Beto atuou como preparador físico do Esporte Clube Pinheiros durante 17 anos, além de ter trabalhado na preparação física da Seleção Brasileira de Handebol Masculino e Polo Aquático Feminino. Passou a atuar com o Biathlon de Inverno em 2006, e será o responsável por desenvolver as capacidades físicas fundamentais para esta modalidade, sobretudo de resistência aeróbia. Isso porque os atletas de Ski Cross Country e Biathlon possuem o maior consumo máximo de oxigênio, entre todos os esportes de endurance. O objetivo será cumprido com a execução de planos anuais de treinamento, com avaliações periódicas e training camps.

 

Marie-Pierre Parent
Treinadora de Tiro
Estudos Esportivos de Ski Cross Country, Joliette (1999), Formação e certificação dos níveis 1 e 2
Associação Canadense de Treinadores (2009)

Membro da Equipe nacional canadense de Biathlon entre 2000 e 2009 (Participou dos Jogos Olímpicos de 2006) e das forças armadas canadenses entre 2001 e 2004, Marie será a treinadora de tiro da equipe e trabalhará principalmente na análise e correção do posicionamento, movimento e precisão do tiro.

 

Foco na ciência aplicada ao Esporte

Buscando oferecer aos atletas de neve as melhores condições possíveis de treinamento, a CBDN trabalha visando aumentar ainda mais a qualidade das atividades esportivas que promove. Para tanto, dois pilares são fundamentais: profissionais qualificados e ciência aplicada ao esporte. O primeiro por ser a ferramenta diária que vai moldar seu atleta em todos os aspectos – físico, técnico e psicológico. Uma boa ferramenta molda bons atletas. O segundo serve como suporte para o primeiro, pois é responsável por estudar e entender o que acontece nas modalidades de neve e nos atletas em especial. Informações essas preciosas para a equipe
multidisciplinar atuar em constante evolução. A CBDN vem se aproximando da EEFEUSP – Escola de Educação Física e Esporte da USP com o objetivo de desenvolver e aplicar cada vez mais ciência dentro de suas modalidades.
Dessa forma, a CBDN criou o programa de estabelecimento de metas para seus atletas, ferramenta de interação entre a equipe multidisciplinar e área de científica, onde dados qualitativos e quantitativos dos programas de treinamento e desenvolvimento dos atletas, são gerados interdisciplinarmente em um plano macro para cada ciclo olímpico. Caminhando para o micro, o dia-a-dia, monitoramento desse processo é fundamental para o ajuste fino e consequente melhoria dos programas de treinamento, realizado através de testes físicos e outros parâmetros de análise como a percepção subjetiva de esforço e frequência cardíaca. Um projeto piloto de monitoramento aprofundado (PPMA) será realizado com o atleta Leandro Ribela durante essa temporada com a intenção de expandi-lo a outros atletas, através do uso de instrumentos psicométricos de avaliação, entre eles a PSE – Percepção Subjetiva de Esforço, DALDA – Daily Analyses of Life Demand in Athletes, WURSS-21 – Wisconsin Upper Respiratory Symptom Survey e o TQR – Total Quality Recovery, monitorando: carga interna de treino, fontes e sintomas de estresse esportivo e da vida cotidiana, infecções no trato respiratório superior (problema de saúde mais frequente em atletas) e a recuperação dos treinamentos (nível de fadiga).

fonte: http://www2.cbdn.org.br/wp-content/uploads/2011/12/CBDN-Newsletter-edi%C3%A7%C3%A3o-especial-DEZ2011rev..pdf