E você, já contou as suas braçadas hoje?

A natação é um dos esportes mais praticados no mundo e uma das atividades físicas mais completas, isso devido ao grande número de grupos musculares atuando ao mesmo tempo e pelo nível de coordenação motora e consciência corporal exigidos em cada movimento. Devido ao grande número de praticantes, é comum surgir perguntas do tipo: “Qual a importância da parte técnica na natação?”, “Porque tenho que nadar com as mãos fechadas?”. A resposta a essas perguntas é muito simples e não foge muito da realidade de outras modalidades: quanto melhor a técnica, melhor serão os seus resultados e menor será a chance de ter uma lesão, não importa se o seu objetivo é saúde ou performance.

Um jeito simples de mensurarmos a parte técnica na natação, é contando o número de braçadas em uma determinada distância, 25 metros por exemplo. Quanto menor o número de braçadas, mais eficientes elas serão.
Quando falamos em técnica de nado, não estamos nos referindo apenas ao estilo que cada pessoa tem ao nadar, mas também a distância percorrida por cada braçada realizada, seja no nado crawl, costas, peito ou borboleta. Podemos citar aqui também, técnica dos fundamentos, como saídas e viradas por exemplo, mas isso será assunto para outro dia, hoje vamos falar especificamente de braçadas.

Quanto maior o seu deslocamento por braçada, mais eficiente você será, menos energia gastará para percorrer a mesma distância. Muitas vezes, fazemos exercícios educativos para a melhoria da técnica e melhoramos (diminuímos) uma braçada em 25 metros, daí você pode me perguntar: Fiz uma série longa e chata de exercícios estranhos e engraçados, quase não saí do lugar, meu volume (distância) de treino foi menor neste dia e tudo isso para diminuir uma braçada? Não! Vamos pensar que uma pessoa nade 2.000 metros por dia, cinco vezes por semana. Se ela diminuir uma braçada a cada 25 metros, no final de um treino ela deixou de “girar o braço” 80 vezes, isso significa que em um mês de treino, ela poupou o ombro em 1.600 braçadas, agora eu te pergunto:Isso é pouco? Multiplique isso por um, cinco ou dez anos e veja o bem que você pode fazer a si mesmo!

E quantas vezes eu devo fazer treinos educativos e quais exercícios devo fazer? Vejo muita gente passando séries de educativos, sem ter um propósito, ou sem saber para que serve este ou aquele exercício educativo. Todos os exercícios educativos e aqui valem os palmateios, multinados, enfim, todos os exercícios que tem como objetivo melhorar a parte técnica, tem um objetivo específico. Alguns são para a melhoria da fase submersa da braçada, outros para a fase aérea da braçada, outros para a melhoria da posição do corpo na água, enfim, não basta apenas ter o exercício, mas sim saber qual a distância ideal e qual a finalidade de cada exercício. Eu gosto de trabalhar técnica sempre em baixa intensidade, ao menos uma vez na semana, dependendo da fase de treino até três vezes na semana. É interessante que sempre depois de cada exercício educativo, o nadador faça uma determinada distância prestando atenção na técnica e contando o número de braçadas para ter um parâmetro de melhoria. Lembre-se, quando falamos em técnica, um é bom, dois é ótimo e três é excelente!

Bons treinos e até a próxima!

Professor Rodrigo Chiquie Ali
Personal Trainer – CREF – 040.915- G/SP