Magreza Excessiva

Em menor evidencia por conta dos números alarmantes que envolvem a obesidade, mas não de menor importância e impacto a saúde, a anorexia nervosa continua fazendo suas vítimas, que podem até chegar ao estágio mais severos da desnutrição que acabam levando a morte.

Quem não conhece alguma história de uma pessoa neuroticamente magra?!

A Anorexia Nervosa é um transtorno alimentar resultado da preocupação exagerada com o peso corporal, que pode provocar problemas graves de saúde. Este quadro envolve:

  • Perda de peso intensa causada por dietas extremamente rígidas e de muito baixo volume calórico;
  • Intenso temor em ganhar peso;
  • Distorção de auto imagem ou seja distorção significativa da forma ou tamanho do corpo;
  • Amenorréia (ausência de mestruação) de pelo menos 3 meses

A Anorexia nervosa pode ser classificada em:

  • Restritiva – privação alimentar sem episódios de comer compulsivamente e/ou praticas purgativas (vômitos induzidos, uso de laxantes, diuréticos e termogênicos)
  • Purgativo: além de comer uma quantidade muito pequena de alimentos ou ter episódios compulsivos, é presente as praticas purgativas.

A anorexia se manifesta principalmente em mulheres jovens, embora sua incidência esteja aumentando também em homens. É muito importante ressaltar a maior frequencia em indivíduos que praticam atividades onde o corpo magro é necessário para esta pratica, os esportes que dependem da estética como balé, nado sincronizado e ginástica rítmica e artística ou quando o baixo peso favorece a performance ou a categoria de prática como as atividades de endurance (triatlon, maratona e ciclismo), jóquei e lutas, alem de modelos e atores.

Ë comum, os portadores do transtorno chegarem rapidamente à caquexia, um grau extremo da desnutrição no qual o índice de mortalidade varia entre 15% e 20%, mas as principais causas de morte são por arritmia cardíaca e suicídio.

 

 

Os Sintomas

Fiscos:

  • Depleção de depósitos de gordura
  • Perda muscular, hipotensão postural, suscetibilidade a lesões
  • Descamação, pele seca, boca ressecada e rachada
  • Cabelos e unhas finos e quebradiços
  • Desidratação, edema, hiponatremia, hipocalemia, hipoglicemia
  • Osteopenia e osteoporose
  • Aumento de colesterol sérico
  • Amenorreia, diminuiçao de gonadotrofina, hormônio luteinizante e estrogênio, aumento dos hormônios de crescimento e cortisol
  • Infertilidade e recém nascido com baixo peso
  • Hipotermia
  • Constipação
  • Distúrbios do sono
  • Arritmia cardíaca

Comportamentaris:

  • atividade física intensa e exagerada
  • depressão, síndrome do pânico, comportamentos obsessivo-compulsivos
  • esconder alimentos no armário
  • se rodear de alimentos para poder cheira los
  • fingir que comeu e jogar tudo for a para enganar os familiares e envolvidos no tratamento
  • cortar tudo em pequenos pedaços e enrola para comer
  • mastigar lentamente para parecer que está comendo bastante
  • fobia de alimentos calóricos

As causas da Anorexia Nervosa não são bem conhecidas, mas variam entre:

Fatores biológicos –  predisposição genética e alterações de substâncias neuroquímicas especialmente na concentração  de serotonina e noradrenalina.

Fatores psicológico – socioculturais (conceito atual de moda que determina a magreza absoluta como padrão de beleza ou características necessárias para a modalidade esportiva) e problemas familiares

Tratamento

Uma vez diagnosticado um quadro de anorexia, a reintrodução dos alimentos deve ser gradativa, a fim de evitar maior sobrecarga cardíaca, mas o objetivo é restaurar o peso adequado.

Há casos em que se torna imprescindível a internação hospitalar para que a oferta gradual de calorias e o monitoramento seja constante.

Melhorar os conceitos, o consumo e as atitudes alimentares.

Normalizar a percepção de fome e saciedade para evitar a compulsão e as praticas purgativas.

Só o tratamento multidiciplinar envolvendo psicólogo, psiquiatra, nutricionista, educador físico/treinador e enfermeiro (quando internado) é realmente eficiente no tratamento deste indivíduo, que deve ser observado em todos os seus aspectos.

A participação dos familiares e pessoas próximas é fundamental para o tratamento, pois mudar o foco do alimento para os problemas subjacentes de interação e desenvolvimento da doença contribuem para que um estado físico severo não se desenvolva.

 Fernanda Palma

Nutricionista Esportiva