Omega 3 X Atividade física

O Omega 3 é um ácido graxo polinsaturado de cadeia longa também conhecido como alfa linolênico e suas derivações ácidos graxos eicosapentaenóico (EPA), decosa-hexaenóico (DHA).

É uma gordura considerada essencial, pois o nosso organismo não produz e a partir dela consegue sintetizar eicosanóides, que são responsáveis por garantir a saúde das membranas celulares e são componentes fundamentais das membranas de células altamente especializadas como os neurônios, eritrócitos, cardiomiócitos, retinócitos, plaquetas, neutrófilos e monócitos e células hepáticas.

 

Nos últimos anos, estudos científicos têm comprovado que dietas com maiores concentrações de ômega 3 desempenham papel importante na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares e aterosclerótica pela melhora do perfil lipídico (redução de LDL e triglicerídeos e aumento do HDL), doenças inflamatórias por inibir a formação de citocinas inflamatórias, auxiliam no crescimento e desenvolvimento fetal e neural por serem constituintes fundamentais para as membranas celulares, além de diminuir a vasoconstrição e agregação plaquetária, possuir ação anti-inflamatória e anti-trombótica, ajudando a prevenir depressão, psoríase, acne e melhorar o sistema imunológico.

 

A relação deste lipídio com a  atividade física está no equilíbrio dos processos oxidativos do corpo. Em função desta característica antiinflamatória garante que as fibras musculares sofrem menos estresse e portanto, fiquem protegidas, que suportem mais os estímulos do treinamento e assim se recuperem mais rápido, o que favorece o ganho de massa muscular e de tônus

Segundo a Diretriz da Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva um adulto necessita de aproximadamente 1g de gordura por kg/peso corporal que corresponde a 30% do valor calórico total (VCT) e de 8 a 10g devem ser de ácidos graxos essenciais. (SBME, 2009).

São fontes

Alfa Linolênico

  • Linhaça e chia (Semente, óleo e farinha)
  • Canola
  • Sementes oleaginosas (castanha do Pará, nozes, amêndoas, macadamias)

 

EPA e DHA

  • Peixes gordurosos de água profunda e seus óleos

(Atum, Sardinha, Salmão, Arenque, Cavala, Truta)

  • Óleo de fígado de peixes brancos magros e baleias

(óleo de fígado de bacalhau e de baleia)

  • Algas marinhas
  • Crustáceos;

 

A suplementação de qualquer nutriente, inclusive vitaminas e minerais, deve ser criteriosa e somente indicada por um profissional da área de saúde nutricionista ou medico.

O excesso de qualquer nutriente através da suplementação pode trazer malefícios à saúde.

Fernanda Palma

Nutricionista Esportiva