Tendinopatia patelar e a atuação da fisioterapia

No último artigo da sessão de Fisioterapia comentamos sobre a “síndrome da dor fêmoro-patelar” (DFP), que é uma causa comum de dor anterior no joelho, e como se dá a atuação do Fisioterapeuta Esportivo nestes casos. No presente artigo continuaremos a falar sobre outra causa de dor anterior de joelho, também muito frequente no meio esportivo, denominada Tendinopatia Patelar.

 

Quais são as causas e sintomas? Em quais esportes esta lesão é mais frequente?

A Tendinopatia ou Tendinite Patelar, também conhecida como joelho do saltador (ou jumper’s knee, em inglês) tem como principal fator causal a sobrecarga de treinamento por uso excessivo do mecanismo extensor do joelho, atingindo, principalmente, atletas que praticam algum esporte que envolve saltos de forma repetitiva, como voleibol, basquetebol, atletismo e handebol. No entanto, também acomete atletas que realizam movimentos repetitivos de flexão e extensão de joelho por longos períodos, como corredores de rua e maratonistas. O local mais comum de dor (veja figura 1) é na região inferior da patela, por isso, caracterizado como dor anterior de joelho.

Geralmente, tem início com uma pequena inflamação na região de inserção do tendão patelar e agrava-se lentamente. Na maioria dos casos, torna-se uma lesão crônica, pois não se respeita o tempo adequado de cicatrização do tendão.  Os primeiros sintomas incluem dor leve na região anterior do joelho após o treino esportivo. Caso o atleta não faça o tratamento adequado e diminua a sobrecarga sobre a articulação do joelho, a Tendinopatia Patelar pode evoluir para uma dor durante e após a atividade física, diminuindo seu rendimento esportivo e sua funcionalidade nas atividades cotidianas.

 

Atuação da Fisioterapia

 

A Fisioterapia tem um papel importante nesta lesão, já que a opção primária de tratamento é o conservador e não cirúrgico. Raros os casos em que os atletas são submetidos à cirurgia. Durante os estágios iniciais da lesão, a técnica de crioterapia (terapia com gelo) é frequentemente utilizada junto a outras técnicas analgésicas e anti-inflamatórias, como o TENS e o LASER terapêutico, visando à melhora da dor e o reparo do tendão lesionado.

Com a melhora da dor, exercícios terapêuticos e específicos de fortalecimento e alongamento muscular são condutas que tem maior efeito sobre os sintomas que esta lesão causa (Veja figura 2). Ainda, o Fisioterapeuta deve buscar outras possíveis causas e fatores de risco que podem gerar a sobrecarga do tendão patelar, como encurtamentos e fraquezas musculares de outras regiões do corpo ou gestos esportivos realizados de forma incorreta.

Outra associação muito comum que encontramos no ambiente esportivo é do atleta que sofreu uma lesão em outra região do corpo (por exemplo, uma entorse de tornozelo) e não a tratou adequadamente. As consequências desta primeira lesão podem, de alguma forma, sobrecarregar o tendão patelar deste atleta.

 

Melhor Período para Tratamento

Como a Tendinopatia Patelar tem como principal etiologia a sobrecarga de treinamento, o melhor período para tratamento é quando o atleta não está em fase competitiva. Dessa forma, o Fisioterapeuta Esportivo consegue afastar o atleta dos gestos que geram a sobrecarga e focalizar na cicatrização e regeneração do tendão, assim como nos fortalecimentos específicos. Por isso, a boa comunicação entre Médico, Fisioterapeuta e Técnico do atleta é de suma importância para a reabilitação e retorno a prática esportiva por parte do atleta.

Figura 1

 

Figura 2

 

Alexandre Campelo e Renan Higashi

Fisioterapeutas Esportivos